Tudo sobre a Agricultura Biológica
Sexta-feira, 16.09.11

A região minhota vai debater, durante três dias, a questão da horticultura e produção animal em modo biológico. Os colóquios, promovidos pela Câmara da Póvoa de Lanhoso e organizados pelas Associações Portuguesas de Horticultura (APH) e de Engª. Zootécnica (APEZ), vão ter lugar em Braga, no Auditório Vita, entre os próximos dias 22 e 24. Esperam-se 300 participantes.

O 3º Colóquio Nacional de Horticultura Biológica e o 1º Colóquio Nacional de Produção Animal Biológica foram apresentados, ontem, por aquelas entidades, no Centro de Intrepretação do Carvalho de Calvos, Pó-voa de Lanhoso - onde já existe uma variedade vasta de plantações produzidas de forma biológica nas hortas biológicas - cujos produtos enchem os cabazes que a autarquia povoense distribui aos lares mais carenciados do concelho.

Os responsáveis das associações APH e APEZ assinalaram, aliás, que a Póvoa de Lanhoso será “um exemplo” a dar aos conferencistas de todo o país e até do estrangeiro, durante as intervenções nos colóquios, em termos das iniciativas que tem ao nível da produção biológica, quer ao nível de agricultura, quer ao nível de produção animal - onde já existe produção do porco de raça bísara.
Fátima Moreira, que tutela na autarquia povoense a área da Saúde e Qualidade de Vida, destaca a importância do debate destes temas, considerando que é “uma oportunidade ímpar para falar sobre a agricultura biológica no desenvolvimento dos territórios, podendo até funcionar como alavanca para combater a desertificação”.

Isabel Mourão, da APH, explicou que os colóquios abordarão questões importantes como as vertentes de produção, transformação e comercialização dos produtos e animais biológicos.
A técnica valorizou, ainda, a agricultura biológica, em termos ambientais. “Este modo de produção é também uma protecção dos recursos ambientais terra/planeta, dos seus seres vivos e animais”, sublinhando “os efeitos negativos da agricultura convencional”.

Isabel Mourão referiu, também, como “consequência positiva” das hortas biológicas, “os efeitos sociais que repercutem para as pessoas mais carenciadas e os efeitos terapêuticos, por exemplo, nos idosos”. Os temas relacionados com a saúde, investigação e desafios futuros no mercado, serão também escrutinados durante os colóquios, onde participarão especialistas de Portugal e de vários países, como Espanha e Brasil.

José Pedro Araújo, da APEZ, apontou para o facto de Portugal estar com “12 anos de atraso relativamente à produção em modo biológico” em comparação com outros países europeus.
O responsável técnico realçou, por outro lado, a importância da produção em modo biológico, no sentido de “diminuição do nível de desertificação dos territórios e valorização das raças autóctones e dos próprios produtos”. Destacou, ainda, a importância da produção biológica que a região Norte já possui ao nível de caprinos, apicultura, vinicultura e suinicultura.

fonte:http://www.correiodominho.com

publicado por adm às 23:11 | link do post | favorito

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds